Você já foi enganado na avaliação do seu carro?

Você já foi enganado na avaliação do seu carro?

Já faz muito tempo que a avaliação do seu carro usado é um ponto de “conflito” no momento da negociação. O enredo é sempre o mesmo: Comprador tentando pagar sempre menos do que o carro vale e vendedor tentando sempre entregar o carro na negociação por um preço maior do que o lojista pode/deseja pagar.

Mas você realmente sabe como funciona a matemática da avaliação e o que realmente importa?

Nesse post vamos mostrar o que se passa na cabeça do avaliador, o que você deveria fazer (e o que não fazer) para melhorar a avaliação do seu carro na hora da troca ou da venda, algumas dicas para não cair no conto do vigário e sair com a consciência em paz por ter feito um bom negócio.

Como tudo começa

Antes de tudo, cabe lembrar aqui que tudo o que escrevo são minhas opiniões e pontos de vista. É direito de cada um interpretar da melhor maneira que convir e deixar seus comentários no final do artigo com suas dúvidas e seus próprios pontos de vista. Aqui não existe certo ou errado, o que existe é muito espaço para discussão e empoderamento de ambos os lados, ok? Vamos lá.

Você já escolheu o seu próximo carro? E agora? O que fazer para não ser enganado na avaliação do seu carro usado?

Tudo começa pelo modelo do carro. O lojista (ou a concessionária) sempre irá levar em consideração o modelo do carro a ser avaliado e se há interesse em aceitá-lo na troca. Se a reposta é “sim”, ele começa a fazer mentalmente essas perguntas:

  • Esse carro é vendável, ou seja, é de fácil revenda?
  • Qual a quilometragem? Está em um nível aceitável?
  • Existem repinturas realizadas na lataria? Se sim, foram bem feitas?
  • Passa na perícia veicular?
  • A mecânica está ok?
  • O estado geral do carro é bom? Ele foi bem cuidado?
  • Qual o valor total dos gastos para deixar o carro pronto para revenda?
  • Qual a margem que eu preciso ter nesse carro para revendê-lo?

Pode não parecer, mas naqueles 5 minutos em que o avaliador está olhando tudo no carro, abrindo o capô, porta malas, tirando as borrachas de vedação à procura de sinais de sinistro, tudo isso passa pela cabeça dele. É uma matemática mental: números + bom senso + expertise (aqui alguns clientes interpretarão como esperteza e, geralmente, não estão errados).

E o vendedor, como fica nessa história?

Do outro lado, o vendedor sempre imaginado que o avaliador está buscando cada detalhe para denegrir o carro e justificar os descontos e os valores pagos abaixo da tabela.

Mas saiba que existem alguns pontos a serem levados em consideração dos dois lados que podem ajudar nessa negociação e deixar ambos com o sentimento de estar fazendo um bom negócio. E que para isso fique mais claro, vou fazer abaixo algumas perguntas rotineiras e as respostas que você precisa saber para estar atento no momento da negociação.

Perguntas e Respostas

Em todo esse tempo que trabalho com carros, já ouvi muitas perguntas. Percebi que algumas delas com relação à avaliação são recorrentes. Então nada mais simples e direto do que fazer um artigo com perguntas e respostas para facilitar o nosso dia a dia e tentar aliviar as dúvidas nesse momento delicado da negociação.

Essas são as principais:

  1. Meu carro está com alguns raspadinhos e arranhões. Vou levar no latoeiro antes de levar para você avaliar.

Resposta: Errado.

Todo avaliador gosta de ver o carro como realmente ele é. Até porque se for necessário fazer alguma coisa na lataria, ele prefere fazer com sua equipe de confiança. Portanto, se você pretende trocar o seu carro não faça nada antes da avaliação. Muitas vezes, o valor que você irá pagar para o seu latoeiro é muito maior do que o avaliador vai descontar para fazer os serviços, além do que a qualidade dos serviços pode não ficar a contento. Já com relação a parte mecânica, vale a pena sim dar uma revisada em tudo ou arrumar aquele probleminha simples que só você sabe que tem, pois se o avaliador ficar em dúvida, pode haver uma desvalorização maior do que você espera.

Dica: Depende muito de cada loja, mas geralmente o valor de repintura de cada peça varia entre R$ 250,00 e R$ 350,00 (base região de Curitiba). Então, seja sincero com você mesmo e faça as contas de quantas peças precisam de repintura no seu carro e já terá uma noção do quanto a loja descontará na avaliação.

2. Acabei de revisar a parte mecânica do meu carro. Isso ajuda na avaliação?

Resposta: Depende.

Depende se você tem os comprovantes de tudo o que foi recentemente trocado no carro ou se os itens trocados são bem visíveis. Caso seu carro não tenha feito a revisão na concessionária, vale a pena ter um histórico de manutenção ativo dele ou, simplesmente, guardar todas as notas fiscais de reparação. Isso sim ajudaria e muito a melhorar a avaliação do seu carro.

3. Meu carro é completo menos ar (isso já é motivo de uma risadinha, pois será que ele é completo então?). Na tabela ele vale X. Por que está sendo avaliado por menos?

Resposta: Porque o comprador está mais exigente e existem falhas no mercado.

A cada ano que passo o acesso aos carros realmente completos e mais equipados vão se popularizando e aqueles “quase completos” costumam se desvalorizar ainda mais no mercado, pois o fácil acesso ao crédito e o envelhecer da frota brasileira permitem que o consumidor possa comprar carros mais equipados e deixar os básicos de lado. Juntamente com isso existe um erro grave de precificação na tabela FIPE, a qual leva em consideração o modelo base, independente dos opcionais que o carro possui. Exemplo disso são as inúmeras versões do Gol, dos mais completos aos mais básicos e que são avaliados pela FIPE como “Novo Gol”. Ou o caso clássico do Hyundai I30 que possui o mesmo valor de tabela para o modelo automático “de entrada” e para o seu modelo mais top com teto solar, 10 airbags, ar digital, bancos em couro.

Falo de tudo isso para explicar que junto com a tabela do carro, é levado em consideração o preço real de mercado verificado em portais de venda de veículos como Webmotors, Socarrão, Icarros e com isso o valor real do carro no mercado é o que predomina. Então, além de ver a tabela, preste atenção no valor de outros anúncios nos portais com as configurações iguais ao seu carro.

Dica: Algumas revendas possuem sistemas próprios de avaliação e muitas delas online. Caso você queira saber quanto seu carro vale aproximadamente, acesse esse link e faça uma avaliação online na Empório https://emporioveiculos.com.br/.

4. Vender diretamente para particular nos classificados vale a pena? Vou conseguir vender por um preço melhor?

Resposta: Sim

Vale a pena vender diretamente no OLX, desde que você tenha bastante tempo, coragem e ainda, tenha estômago para responder a todas as propostas de trocas que chegam ou todas as ligações de lojas informando que “Tenho um cliente certo para seu carro, pode deixa-lo uma semana aqui no nosso estoque?”.  

Todos sabemos o quanto é perigoso aceitar mostrar o carro na sua casa ou mesmo marcar um lugar para que um estranho veja seu carro. Além disso, enviar documentos, dados ou qualquer tipo de identificação do carro antes de realmente conhecer o comprador já provou ser de alto risco.

Já com relação às lojas que ligam, nem sempre elas realmente tem o cliente, o que elas querem é preencher o estoque com seu carro, mesmo que temporariamente. Essa tática já é velha conhecida. Nesse caso, se você não conhece a loja, informe que ela pode marcar com o cliente em potencial que você levará o carro na data e hora combinados, caso você tenha a disponibilidade.

Dica: Nunca envie o documento do carro, fotos com placas, endereço da sua casa e nada que deixe você, sua família ou seu carro vulneráreis. Com a tecnologia e o avanço dos sistemas de adulterações, você pode correr um sério risco de sofrer golpes na internet.

E o que mais devo ficar atento?

Além das respostas acima, costumo alertar aos meus clientes e amigos que não existem milagres. Ninguém sobrevive honestamente nesse mercado de revenda de veículos ganhando 3% de consignação, ou vendendo seu carro pelo preço de mercado e dizendo que vai ganhar R$ 500,00 apenas para “ajudar”.  

Em quase todos os casos de golpes, malandragens ou mesmo nos casos em que o cliente teve uma experiência muito ruim ao vender seu carro, há um misto de ingenuidade e ganância desproporcionais ao negócio. Aquele famoso “barato que sai caro” sempre acaba acontecendo.

Aqui vão algumas dicas para que você possa fazer um check list antes de sair por aí negociando:

  • Desconfie das negociações quase imperdíveis, pois se o produto tem tanta qualidade assim, não faz sentido (na grande maioria dos casos) o vendedor cobrar tão barato.
  • Compare o que você está vendendo ou comprando com o restante do mercado e certifique-se que estão dentro de uma realidade aceitável.
  •  Pesquise sobre o vendedor (e mesmo sobre o comprador) no Google, nas redes sociais etc. Se o vendedor for uma loja, fica fácil saber sobre a idoneidade, atendimento e histórico pesquisando na internet.
  • Se está comprando, exija que o veículo passe por Perícia Veicular, pois pode lhe ajudar a confirmar a qualidade e procedência do carro.

Espero que essas dicas possam lhe ajudar nas negociações do dia a dia. Se tiver outras dúvidas ou quiser deixar seu comentário, fique à vontade. Vou responder todos o mais rápido possível.

Até o próximo post.

Marco Eleutério

Fonte da Fotografia: Revista Auto Esporte

4 comentários em “Você já foi enganado na avaliação do seu carro?”

  1. Parabens Marco,
    Isso é prova de trabalho sério, honesto e competente de quem valoriza sobretudo seus clientes.
    Abraço

Deixe um comentário